Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Insignificâncias

publicado por ónix, em 23.06.09

 

Hoje fui visitar o meu amigo Zé na esperança de o encontrar melhor. E saí com a esperança a escapar-se-me por entre os dedos. Dele, apenas senti o apertar da sua mão na minha num gesto instintivo ou coincidente. Fugi daquele quarto com uma sensação de impotência incontrolável. Passei pelo átrio em silêncio e em silêncio dirigi-me para o exterior. Tomei a direcção do meu carro e parei... acendi um cigarro e olhei à minha volta. Observei as pessoas, olhei o sol, senti o vento tocar-me o rosto e um turbilhão de pensamentos trespassou-me a alma.

Quantas vezes ficamos enraivecidas porque não há o número daquele vestido lindo que sorri para nós naquela montra, tantas vezes chorámos pela perda de um grande amor, tantos acessos de raiva porque temos um pneu furado e não sabemos o que fazer, tanta vontade de dizer um chorrilho de asneiras porque acabámos de entornar o café em cima das calças brancas acabadas de estrear e mais um acesso de raiva quando partimos aquela peça favorita que enfeitava o móvel lá de casa...

Todas estas pequenas coisas, comparadas com o querer olhar e não poder, querer falar e não conseguir, querer tocar e não sentir... são meras insignificâncias!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por ónix às 22:46

...

publicado por ónix, em 05.06.09

Não queiras partir já, querido amigo. Ainda temos tantas coisas para dizer, tantas gargalhadas para dar, alguns segredos para partilhar.

E que a lágrima que hoje te caiu, no teu sono incompreendido, seja um prenúncio de esperança... de vida... de um recomeço!!

Um abraço intenso para ti... sente-o na tua luta e que regresse brevemente o teu sentir!

 

                                                                                        Dedicado ao Zé Manuel

                                                                    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por ónix às 22:27

Se...

publicado por ónix, em 02.06.09

Se eu fosse uma onda de um mar travesso e cristalino, enrolava-te a mim e levava-te até à profundeza mais exótica. Ficaria contigo numa quietude sublime e entrelaçada a ti, tocaria de leve os corais mais belos. E deixar-me-ia ficar... de coração apaziguado e afastada de todas as imperfeições do mundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por ónix às 23:47







Reptos mais comentados


Obrigada a quem vai passando...




Protected by Copyscape Web Plagiarism Check

Imagens retiradas de Google