Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Champanhe e palavras

publicado por ónix, em 29.12.10

Depois de tantos anos voltámos a ter uma conversa banal de café que me fez pensar que não devia ter desistido de ti. São mesmo assim as conversas de café e então quando são fora de horas...foi ínsipido o meu lutar por ti mas o senhor orgulho interferiu e eu deixei-te ir livre de tudo. Qando a conversa acabou, a conversa de café que tivémos passados tantos anos, sentei-me nos degraus de um lugar qualquer, puxei de um cigarro, o derradeiro, e um turbilhão de ideias cruzadas e confusas invadiu a minha mente sedenta de paz. E voltaram os porquês sem resposta, ao fim e ao cabo na vida são mais os porquês que as respostas para eles. Quando acabei o cigarro espezinhei-o com o bico da bota porque a minha vontade era o tempo e perguntar-lhe porquê. Perguntar-lhe o que fez de mim, perguntar-lhe o que fez de ti, perguntar-lhe o que nos fez a nós. Aposto que não tinha resposta para tantos porquês num só.

 Mas deixemo-nos de lamentações. Brindemos a mais um ano que se aproxima e vamos beber champanhe e comer passas e mais aquelas coisas todas que fazem parte. E que se aproveite o momento.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por ónix às 00:17

Angel

publicado por ónix, em 07.12.10

Partiste numa viagem sem regresso, nem perguntaste se podias. A notícia chegou de forma cruel e impiedosa provocando-me uma dor profunda  acompanhada de imensos porquês silenciosos. Recuo no tempo e vejo-te a entrar na sala no primeiro dia de escola com esse teu bibe amarelo, uns olhos negros assustados e poucos sorrisos para dar. Dotado de uma inteligência invulgar aprendeste as primeiras lições de coisas e de vida. Preparei-te em imensos áreas só não te preparei para um caminho sem saída. Cresceste e deixei de te ver como é normal acontecer na vida... cada um vai seguindo o seu caminho mas ao longo dos anos fui sabendo que terias todo o sucesso no teu futuro.

O meu coração continua aflito e as lágrimas não conseguem deixar de rolar enraivecidas e perturbantes quando penso em ti e te relembro quando o teu olhar ainda ditava inocência.

Partiste numa viagem sem regresso e por vontade própria cumpriu-se assim o destino. O teu... demasiado curto.

E fazem-se as perguntas habituais... quem era, o que fazia, filho de quem?

E eu penso...o que interessa? Nada. Idade? Vinte... e o meu coração chora.

 

Para o T. com saudade

 

 

Pensei muito, antes de escrever estas palavras sentidas. Não sabia se devia mas ele falou mais alto. Às vezes devemos seguir as coisas do coração.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por ónix às 22:11

O Filme

publicado por ónix, em 04.12.10

Hoje revi o filme. Amei-o ainda mais desde a primeira vez que o vi. Fez-me pensar na vida e na sua essência, nas bestas humanas que vagueiam impunes por aí, na corrupção que infecta a nossa sociedade, na esperança que não quer morrer, na eterna e forte amizade que pode unir duas pessoas. Senti as mais variadas emoções ao revê-lo, era bem capaz de o ver vezes sem conta. E adorei-o também em parte por causa deste senhor,  pelas suas expressões que me tocam a alma, pelo seu enorme talento, pelo seu olhar profundo, pela sua voz maravilhosa e inconfundível. Há já algum tempo tinha querido escrever sobre ele mas a inspiração faltou. Fi-lo hoje. Calhou bem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por ónix às 19:36





Reptos mais comentados




Imagens retiradas de Google