Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


O livro ou não...

publicado por ónix, em 08.10.11

Este é o livro que escrevo para todos vós. Não tem a forma de um livro nem tão pouco o seu cheiro, não tem páginas, não tem capa nem contracapa. Não tem prefácio nem epílogo, não tem editora nem vai ter lançamento. Não tem nada mas tem tanto de mim. Momentos de toda uma vida vulgar com alegrias e tristezas, lágrimas e gargalhadas, ilusões e desilusões, amores e desamores e tantas coisas banais que marcam a vida de uma pessoa banal. Estas palavras que vos deixo, podem lê-las quando e onde quiserem, podem amá-las ou odiá-las, podem ser-lhes indiferentes, podem fazê-los pensar ou nem por isso.

E logo eu que amo os livros, que adoro folheá-los e senti-los, que absorvo as frases e as histórias, que adoro os autores e as biografias, que amo as livrarias e as bibliotecas. E será isto que escrevo um livro?

O meu livro não tem cor ou se calhar tem, tem a cor da minha alma, do meu coração e do meu pensar.

Este é o meu livro sem forma, que dedico a todos os que me lêem e que dedico sobretudo a mim. Aqui escrevo o que me apetece e o que sinto, uma vezes bem outras assim assim, mas não preciso mudar para publicar nem sequer perguntar se acham bem ou acham mal.

Efectivamente este livro é muito meu. É um imenso eu.

 

Texto escrito para a Fábrica de Histórias

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por ónix às 00:05


comentários

De Cláudio a 28.10.2011 às 00:51

Olá Ónix, tudo bem?!!! Para mim os melhores livros não são aqueles de capa bonita, um tanto superficiais, pensados para vender. Eu gosto de pessoas simples e palavras profundas. Amo os sentimentos e pessoas que sentem. Não me importo sequer que as palavras pareçam tolas, fora de contexto, desde que venham de dentro, para mim valem tudo. Gosto do teu livro, de tal maneira que por vezes tenho de o folhear. Agora se permites, tenho de contestar uma coisinha, desculpa :) Talvez até existam, mas eu quero acreditar que não, quero acreditar que não existem vidas vulgares, nem pessoas banais. Um beijinho e continua sempre a escrever.

De ónix a 29.10.2011 às 19:17

Olá, Cláudio
Partilho inteiramente a tua maneira de pensar e também eu gosto de "folhear" o teu livro. Vidas vulgares e pessoas banais? Pois, se calhar tens razão... todos nós temos o nosso livro de vida, peculiar e diferente dos demais. Concordo.
Bjinhos e continua a dar-me o prazer de te ler. Que estejas bem.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.








Reptos mais comentados


Obrigada a quem vai passando...




Protected by Copyscape Web Plagiarism Check

Imagens retiradas de Google